Por que as pessoas olham para cima quando falam com Deus?

Deixe um comentário

A retórica da pergunta apenas ilustra que, mesmo não compreendendo claramente o que seja Deus as pessoas tem um respeito inconsciente por Ele, de maneira que instintivamente procuram-No em algum lugar acima, talvez no céu, no espaço, enfim, sempre O colocam em uma situação elevada em relação a nós, Suas criaturas.

Em nosso entendimento e de todo cristão Ele é o Poder Maior; é o Tudo, é a Essência; é o Infinito; é a Quintessência. Logo, são vários os nomes para designar a mesma coisa, que é a Fonte Primordial de todas as coisas.

 A todos nós os Trabalhadores da Última Hora fica claro que é preciso exercitar a fé no Agora, posto que, aceitamos esta missão antes de encarnarmos neste momento pelo qual vive o planeta.

Um dos grandes objetivos desta encarnação é a maior espiritualização do trabalhador, mas tal coisa será impossível, se ele não entender a missão da qual está, (ou deva estar imbuído) em algo acima da sua condição de ser humano comum. Caso contrário ele teria fé apenas na matéria, o que seria um equívoco dos mais lamentáveis em se tratando de um momento de transição no Planeta Terra, para uma trilha no caminho da maior espiritualização de todos nós.

A Doutrina Espírita estabelece o caminho da consciência crítica: da mesma forma que é preciso não ser um descrente também é preciso que não se caia no erro da fé cega, pois nada pior do que uma crença irracional.  A crença irracional se caracteriza pela falta de questionamentos, sendo a crença em algo de maneira totalmente incondicional, o que em outras palavras significa fanatismo, onde existe até um temor de pensar em questionar o objeto dessa fé cega. Portanto, para os espíritas a fé é um exercício de crítica e estudos constantes, para entender os por quês de estarmos aqui.

Compreender a mensagem Divina significa estar ciente do que Ele é por isso não segue nenhum padrão da lógica humana, é saber que ele está e é em tudo, é compreendê-lo como a Causa e a Consequência de todas as coisas visíveis e invisíveis.   Mas tentar entender o Poder Divino é outra coisa. Tentar sondar seus mistérios, tentar encontrar a chave das suas ações, e algo que está além da capacidade humana.

O Poder Divino não será entendido. Sempre manifestamos a tendência de tentar entender o desconhecido com base nos nossos padrões racionais humanos, repletos das nossas definições pessoais a respeito daquilo que achamos ser o mais adequado, mas ignoramos que isso não pode se aplicar aquilo que transcende todo o nosso sistema lógico.  Deparar-se com algo que não pode ser definido nem explicado pelos nossos padrões é de fato uma experiência impressionante, mas a tentativa de classificar Deus se constitui também numa demonstração de falta de humildade e é por esta razão que a Doutrina Espírita não tenta entender o Poder Divino, mas sim compreendê-Lo e trabalhar com Ele.

A nós, Trabalhadores da Última Hora, não nos cabe rebelar-nos contra a ordem natural das coisas e temos de aceitar aquilo que não está sujeito à nossa vontade.  Por exemplo, a morte de um ente querido é sempre algo trágico, mas não controlamos esse tipo de evento, que obedece a um desígnio que está além das nossas sondagens e capacidade de aceitação. Certamente que se nos fosse dada a capacidade e o poder para interferir nesse tipo de evento nós perverteríamos a ordem natural e impediríamos que a morte atingisse nossos parentes e amigos, além de nós mesmos, e a concessão desse poder a nós seria algo extremamente injusto para com aqueles que não receberam a mesma capacidade. Por isso a Justiça Divina trata dessas questões sem nos consultar e a nós não nos cabe rebelarmo-nos contra isso. O mais certo nesse caso é aceitar que o Poder Divino está agindo segundo sua lógica e essa lógica não precisa ser compreensível a nós.   Não, meu irmão, a Doutrina Espírita não é conformista, mas realista, sabe que cada encarnação dá ao ser humano maior aprendizado, afinal sabemos que não vamos morrer. Morre o corpo físico, mas prevalece o espírito com todas as nuanças que já o revestia de pretéritas encarnações. Por outro lado, estou apenas explicando que vivemos num mundo criado pelo Poder Maior e que Ele estabeleceu as regras, portanto precisamos viver de acordo com elas.

Mas se a Doutrina Espírita diz que devemos questionar sem aceitar apenas, como não devo criticar algo que me traz infelicidade. Então, para ficarmos bem entendidos, não é errado elaborar teorias sobre o que é Deus, mas é errado questionar suas motivações, e ainda mais errado dizer que o Poder Divino foi injusto por ter permitido isso ou aquilo. A bem da verdade, a maior parte das situações em que a revolta fala mais alto em nosso íntimo e culpamos o Poder Maior por coisas ocorridas aqui, por exemplo, no caso de atentados terroristas que matam centenas de pessoas, em terremotos que eliminam vidas e destroem cidades, em tsunamis que engolem pessoas destruindo tudo que foi construído pelo homem, nos esquecemos de que essas coisas foram provocadas por nós e não mandadas por Ele. 

A nossa ignorância faz com que primeiro sejamos os agentes causadores das situações destruidoras e quando elas de fato se manifestam o nosso comodismo faz com que arranjemos um culpado, que pode ser qualquer um menos nós, e nesse caso o Poder Divino serve bem a esse papel.  Usamos nossa parca inteligência para culpá-Lo ainda mais, onde dizemos coisas como “Mas se Ele é assim tão poderoso por que então não impediu aquele terremoto que matou tanta gente?” Esse tipo de pensamento é o atestado da nossa ignorância, que faz com que não vejamos (ou não queiramos ver) que existem Leis que nem Ele mesmo viola, dentre as quais o livre-arbítrio. Assim, veja que: o respeito que Deus tem para conosco, suas criaturas, é infinitamente mais completo, do que o respeito que temos por Ele, que é o Criador.

Outros dizem que o Poder Divino passa a ser algo distante que não conseguimos conversar com Ele. Pois acho que há um total erro nessa afirmativa. Digo sim, que muitos se desacostumaram de falar com ele, porque se perderam nas ilusões da vida terrena e nas brincadeiras da matéria.

Muitos são os que dizem: se Deus criou, mantém o Universo e administra tantas galáxias e aglomerados então como poderia Ele dar atenção às preces de cada um de nós, já que tem coisas em escala cósmica para fazer?

Ora, se o nosso cérebro, por exemplo, administra todo nosso corpo, tem que manter o coração batendo, não se descuida do sistema respiratório, circulatório, etc., mas mesmo assim o cérebro sabe o que está havendo com aquela célula na ponta do dedão do pé.  Ele sabe se ela precisa de nutrientes, se ela está doente ou se está tudo bem com ela.  E como o cérebro sabe disso?  Ele sabe disso porque ele “ouviu” aquela célula.  A célula mandou um comunicado, e o cérebro ouviu o que ela tinha a dizer.  Não parece incrível que um mecanismo fabuloso como o cérebro, que tem todas as atribuições que ele tem consegue tomar conhecimento da situação de uma única célula no ponto mais afastado do corpo? Isso é muito interessante, mas verdadeiro.  Agora, se reconhecemos ser possível isso num mero cérebro humano, por qual razão seria impossível que o Poder Divino, mesmo com todas as funções administrativas do Universo não possa tomar conhecimento da situação individual de cada uma das suas criaturas?  Afinal, se Ele permite que suas criaturas tomem conhecimento das coisas que ocorrem mesmo nas regiões celulares mais distantes de seus corpos, então porque seria incrível que o Poder Maior não procedesse da mesma forma para com suas menores criaturas?  É essa complexidade que faz com que para muitos de nós seja difícil assimilar esses atributos do Poder Divino.

Também devemos ter em mente que o Poder Divino não será nosso Salvador, pois não está aí para atender aos nossos pedidos, quase sempre egoístas e materialistas.  Há pessoas que buscam a Deus unicamente para pedir favores, a que chamam de “graças”, e essas ditas “graças” notadamente sobre coisas materiais, em especial dinheiro. Há ainda aquelas, que se atrevem a tentar barganhar onde dizem a Deus que se Ele lhes conceder determinada coisa ou quantia elas serão melhores seres humanos, praticarão a caridade e o amor ao próximo. Talvez imaginando que o Poder Divino possa ser corrompido e que Ele se importa se a pessoa será boa ou má.  Pois é chegada a hora de essas coisas não mais poderem acontecer, em hipótese alguma. Você é o trabalhador e recebeu sua missão para construir um mundo novo e não esperar que tudo lhe venha do céu como o maná aos judeus na sua retirada do Egito.

Infelizmente são bem poucas as pessoas que buscam Deus como parte de seu caminho espiritual.  Há uma passagem bíblica que diz “Buscai primeiro o Reino dos Céus, e todo o resto vos será acrescentado”. Porém, algumas pessoas acham que pode haver um atalho onde se pode barganhar a concessão de favores, sem buscar a espiritualidade, sem fazer sua transformação no ser da nova era, ou seja, querem se aproximar de Deus não com o anseio de ascensão espiritual, mas, apenas para pedir-Lhe coisas mundanas. Sinto dizer, porém agora é a hora da separação do joio e do trigo. Se você não demonstrar seu trabalho nada lhe será dado de graça. Ainda é tempo! Transforme-se para melhor. Crie à sua volta um mundo mais alegre e feliz. Espalhe amor e bondade para todos que encontrar na vida e assim, o Trabalhador da Última Hora será recompensado e lhe serão perdoadas todas as faltas passadas. Esta é a sua última oportunidade.

Que o Mestre Amado Jesus nos acompanhe nessa transição!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s